18 de Setembro de 2014

NOVAS INSTALAÇÕES

Já há algum tempito que não vinha por aqui, esse hiato foi porque a minha máquina fotográfica caiu a um tanque com água (como está na moda o duche publico quiçá alguém me quereria desafiar e quem pagou foi a máquina!) e após a ter enviado para ser consertada o orçamento não compensava o arranjo e lá tive de comprar (ontem) outra. A estreia da nova máquina dá-se com as fotos que partilho mais abaixo do novo viveiro que encomendei ao amigo João Magarreiro (que recomendo vivamente quanto mais não seja pela idoneidade), novato nestas lides da construção de viveiros, como hobby, além de também ele ser criador de canários. O pouco espaço de que disponho para esta paixão que são os canarios, mormente o Canário Arlequim Portguês, obriga a que otimize o espaço que tenho e foi o que tentei fazer, com a ajuda do João Magarreiro.

Desde segunda feira que tenho andado numa azáfama a montar o viveiro/voadora com a ajuda de outro amigo, (muito obrigado Jorge Marques) pois tenho as aves, ainda, com a muda muito atrasada e no novo espaço, que posso transformar em voadeiras, a muda será bem mais rápida dado que as aves se podem movimentar melhor e, também, não engordarão tanto face ao exercicío que fazem ao efetuarem voos de três metros. Existem ainda pequenos detalhes "na construção" a serem eliminados mas com tempo e paciência lá chegaremos. De qualquer modo mesmo, com os detalhes para eliminar, o viveiro/voadora é bem melhor, para os meus passarinhos, do que os anteriores já velhinhos com cerca de dez anos e que não davam para serem transformados em voadora tendo, por isso, que acantonar os passarinhos em espaços relativamente reduzidos que propiciavam que os canários engordassem apesar da alimentação cuidada que lhes proporciono; penso que agora esse problema passará a ser mais diminuto.

Espero dentro em breve voltar com mais novidades.

Ao fundo a estrutura do novo viveiro/voadora e em grande plano os anteriores viveiros.
Este viveiro/voadora é composto por trinta buracos mas só 20 é que serão utilizados para criação, os outros serão utilizados como voadora e no fim das criações os buracos que serviram para a criação serão, com a retirada das baias, também transformados em voadoras.
Procedendo à mudança dos passarinhos para as novas instalações.
Como cada buraco é dividido a meio isso permitirá, durante a criação, separar os filhotes dos pais, quando sairem do ninho, e colocá-los num dos lados para serem alimentados através da grade separadora evintando a picagem. No fim da criação e se for necessário poderei, dividindo o buraco ao meio com a baia, fazer gaiolas individuais preparando as aves para os concursos
Pouco habituados a tanto espaço andadavam uns atrás dos outros, qual bando de passarinhos.
Aos poucos a voadora começava a ficar mais colorida com os novos inquilinos.

Estas fotos foram batidas já perto do anoitecer e como havia ainda alguns passarinhos para mudar ficará para breve uma foto frontal do viveiro/voadora com todos os inquilimos.

19 de Agosto de 2014

COM MAIS DOIS ASSIM!...


 
 Tivesse um pouco mais de lipocrómo e, penso eu, este passarinho iria fazer furor em algumas exposições, até lá vou esperar que temine de vez a muda; há por aqui um irmão que quase parece uma fotocópia deste, tenho pena de não ter mais dois pois certamente iria conseguir  fazer uma equipa interessante.

20 de Julho de 2014

MAIS ALGUNS ARLEQUINS 2014


Partilho fotos de mais alguns passarinhos que por um ou outro pormenor que me agrada mais vou observando.










15 de Julho de 2014

NADA DE RELEVANTE




Mais de um mês! Não me lembro de ter estado tanto tempo sem dar noticias, mas também as que há são poucas e o tempo tem sido aproveitado para ir olhando os passarinhos e verificar a evolução dos mesmos nesta fase um bocado complicada que é a muda.

O canarito Poupa que tinha nascido de um casal Par, conforme referi na última nova morreu. Morreu precisamente ao 32.º dia de vida. Gordinho e sem nada visivel, como por exemplo o esterno que em caso de doença geralmente perde músculo, que desse alguma pista sobre o motivo. Enfim fiquei com pena (fico sempre com pena quando me morre algum passarinho) pois estava curioso em verificar o que a prole do mesmo, no futuro, me iria dar.

Não tenho mais nada de relevante a mencionar de momento e, assim sendo, partilho as duas fotos possíveis que acompanham este texto de um passarinho par, com meia muda, que me agrada bastante. Já sabem a cantilena do costume, a máquina é boa mas o fotógrafo é um desastre.
Até breve.

 

9 de Junho de 2014

UMA CURIOSIDADE NO FIM DAS CRIAÇÕES

Hoje, com o anilhamento dos últimos cinco passarinhos, dou por encerrada a época de criação referente a 2014. Esta époaca ficou um pouco aquém das expetativas em termos de quantidade pois criei, pela primeira vez, com vinte casais e estava esperançado em ultrapassar a centena de crias; apesar de tudo penso que a época foi positiva pois procedi ao anilhamento de 93 passarinhos com a particularidade de, nos arlequins, terem nascido cerca de 70% variegados.

Aconteceu-me uma coisa que sabia já ter acontecido a outros colegas e que dada a sua raridade partilho com os amigos que me lêm.

A fim de obter um determinado padrão, face aos registos do macho e da fêmea, acasalei o meu macho arlequim par, vice campeão em Reggio Emilia no ano passado, com uma das fêmeas, por acaso também par, que se enquadrava no que eu pretendia e, nesta última postura, fui surpreendido com o nascimento de dois filhotes, ambos variegados mas com a particularidade de um ser Par e o outro Poupa!

Partilho duas fotos das crias onde se poder ver perfeitamente a poupa de um dos filhotes bem como a foto dos respetivos progenitores.

As duas crias, filhas de casal de arlequins Par, sendo um Par e outro Poupa
 
Os pais das duas crias, na foto acima o pai, e na de baixo a mãe.