20 de Abril de 2014

ARLEQUINS EM VEZ DE AMÊNDOAS... BOA PÁSCOA!


Uma arreliadora avaria do PC, motivada por um pico de corrente, fez com que informação e registos informáticos da minha criação de canários entre outra informação, também ela importante, fosse irrecuparável do disco duro.Aos poucos e porque mantenho um suporte físico de todos os registos (pena que não tivesse também cópias de segurança!) referentes á criação terei de ir tentando refazer os registos o que me irá ocupar algum tempo.

Hoje, bati umas fotos de alguns dos passarinhos que passaram, sensivelmente a meio da semana passada, para as voadeiras onde começaram a comer a papa com corante, espero que gostem apesar de as fotos não terem ficado lá grande coisa.

Aproveito a oportunidade para desejar a todos uma Santa Páscoa.
















Estes são os últimos passarinhos anilhados esta semana, mais concretamenteno passado dia 18.

19 de Abril de 2014

CANÁRIOS DE PORTE DE "A" a "Z" GLOSTER

País de origem: Inglaterra

O canário Gloster é, quanto a mim, o canário de porte mais popular a nivel mundial trata-se de uma ave que não deixa ninguém indiferente quando a vemos, seja Consort (sem poupa) ou Corona (com poupa), integra o Grupo VI dos canários de Plumagem Lisa com ou sem Poupa e, segundo parece, a sua origem teve por base o cruzamento de Cresteds com Borders e Harzs cerca de 1925.

Na busca de informação sobre a origem do canário Gloster encontrei um artigo sobre esta raça, do qual transcrevo parte, que me parece ser bastante ilucidativo acerca deste pequeno e gracioso canário; diz o autor:

...O pequeno tamanho no gloster sempre foi um aspecto importante ao longo da história de criação deste canário. Inclusive a grande razão para a criação da raça gloster durante o ano de 1920 foi a de produzir um pequeno canário com coroa.
Esta foi a razão que levou a fundadora do gloster, Mrs Rogerson, conhecida criadora de Gloucestershire, em Inglaterra, a seleccionar tal ave, esta não apreciava de todo o tamanho exagerado do canário Crested, e começou a sua busca por um canário pequeno coroado.
Assim o pequeno tamanho tornou-se a linha mestra de selecção para Mrs Rogerson, e deveria ser também o principal aspecto de selecção dos restantes criadores que seguem os seus passos. Podemos assim dizer que é o tamanho do gloster que o distingue do canário Norwich ou Crested e se isto não for tido em conta não existe razão para separarmos este das raças anteriormente citadas.
Nos tempos modernos o tamanho tem sido um dos tópicos mais controversos entre os criadores de glosters. Quando falamos de tamanho, falamos do comprimento desde o bico até à ponta da cauda, no gloster deve ser o mais curto possível, mantendo o corpo, e forma pois actualmente buscamos um canário potente. Durante os últimos 40 anos um grande número de criadores de glosters, fizeram grandes melhorias na criação, surgiram as coroas redondas, longas e com poucas falhas, melhorou-se a cor e a qualidade da plumagem e mais recentemente os corpos, redondos, que dão ao gloster uma distinta e particular forma. No entanto durante este período de rápida evolução, houve períodos em que a raça para evoluir nos pontos atrás assinalados, descurou ligeiramente a questão tamanho. Por exemplo quando começaram a aparecer os primeiros glosters com coroas cadentes todos os vencedores procuraram trabalhar as mesmas, o que fez com que outras características fossem menosprezadas, incluindo o tamanho.
Esta tendência para dar pouca importância ao tamanho é um problema bem maior se compararmos a Inglaterra com o resto da Europa, criadores do continente, especialmente da Bélgica, sempre tiveram como prioridade o tamanho. Conseguimos ver ainda hoje que essa preocupação continua, com as recentes alterações COM de alocução de pontos com bastante ênfase para com o tamanho dos glosters. Outra grande diferença é que o sistema COM tem como ideal 11,5 cm, enquanto que na Inglaterra tal não existe no nosso standard, que diz simplesmente “tendency to the diminutive”, frase muito aberta a distintas interpretações...”

Nota: Esta pequena introdução, (não vinculativa) tem como base uma pequena pesquisa feita pela Internet suportada na leitura de vários textos, tendo neste caso sido escolhido o texto, parcial, da autoria de Rob Wright, publicado na Revista n.º 12 de, “O Gloster”.


Fotos de aves dos criadores portugueses e Campeões do Mundo Teresa Crespo/António Ferrão.







Atualmente o Standard, do Canário Gloster aprovado pela C.O.M., é o seguinte:


TAMANHO
O mais pequeno possível (máximo 11 cm.).
Pontuação: 20.


POUPA OU CABEÇA (Corona-Consort)
Poupa: Bem redonda e cheia, olhos ainda visiveis. Aderente na nuca.
Bico: Cónico e pequeno.
Ponto central no meio da cabeça e o mais pequeno possível.
Cabeça: Bem redonda, bem larga, sobrancelhas bem marcadas.
Pontuação: 20.


CORPO
Dorso; bem cheio, ligeiramente abaulado.
Asas; bem aderentes.
Peito; bem largo, redondo e cheio sem proeminências.
Pescoço; largo separação cabeça corpo invisível.
Pontuação: 20.


PLUMAGEM
Sedosa, bem fechada, cor brilhante e natural.
Pontuação: 15.


POSIÇÃO
Altiva.
Semi-erguida.
Em movimento.
Pontuação: 10.


CAUDA
Curta, estreita, no alinhamento do dorso.
Pontuação: 5.


PATAS E COXAS
Patas crutas, ligeiramente flectidas.
Coxas não visíveis.
Pontuação: 5.


CONDIÇÃO
Em boas condições de saúde.
Limpo de não danificado.
Pontuação: 5.


COR
São admitidas todas as cores, excepto o vermelho.


Gaiola tipo inglesa: Com dois poleiros. (A gaiola de canário de cor também é admitida)

25 de Março de 2014

MAIS ALGUNS ARLEQUINS, NASCIDOS ESTA ÉPOCA


Eis aqui mais alguns ninhos com canários arlequim português. 

Neste momento, e como poderão verificar pelas datas de nascimento, alguns deles já abandonaram o ninho; o problema maior agora é o cuidado redobrado que tenho de ter com estes passaritos por causa das fêmeas não os transformarem em frangos de aviário, ao tentarem arrancar-lhes as penas para iniciarem um novo ciclo de postura, apesar de terem novo material para o efeito com fartura; as minhas gaiolas não dão para separar as crias dos progenitores, mas não é nada por que eu já não tenha passado e arranjado solução.

Em princípio as próximas fotos serão já de alguns deles antes de os colocar na voadora.

Seis filhotes, da Jaula n.º 10, nascidos em 2014-03-03.

Dois filhotes, da Jaula n.º 13, nascidos em 2014-03-03.

Um filhotes, da Jaula n.º 14, nascidos em 2014-02-26.


Cinco filhotes, da Jaula n.º 16, nascidos em 2014-03-01.

Três filhotes, da Jaula n.º 18, nascidos em 2014-02-28.

Três filhotes, da Jaula n.º 19, nascidos em 2014-03-15.

22 de Março de 2014

PRIMEIRAS NINHADAS DE 2014

 
Cada vez que digo que está tudo a correr bem morre-me um pássaro; esta é uma coincidência macabra! O que vale é que não sou supersticioso.

Esta semana já começaram a sair dos ninhos os primeiros arlequins. Enquanto não são separados dos progenitores partilho fotos de algumas das ninhadas nascidas esta época.

Há cada vez mais trabalho, o que é ótimo, pelo que irei aos poucos fazendo atualizações regulares; se tudo decorrer conforme tem estado  a acontecer, amanhã deverão nascer mais alguns passarinhos; procederei ao anilhamento de outros, verificarei se os ovos de alguns ninhos estão fecundados e ficarei aguardando o início da próxima semana para receber mais alguns que entretanto nascerão.

Três filhotes da Jaula n.º 4, nascidos em 2014-03-11.

Três ilhotes da Jaula n.º 5, nascidos em 2014-03-15.  

Cinco filhotes da Jaula n.º 6, nascidos em 2014-03-06.




  





Dois filhotes da Jaula n.º 8, nascidos em 2014-02-28.

Neste ninho estavam quatro filhotes da Jaula n.º 9, nascidos em 2014-02-28. Infelizmente o que iria ser mais variegado deles todos (melânico no dorso e lipocrómico no peito) acabou por morrer por os pais não o alimentarem após ter saído do ninho.

19 de Março de 2014

LLARGUETS ESPANHÓIS

Llarguets Espanhóis nascidos em 2014-03-08

Este ano, felizmente, está-me tudo a correr bem, tenho já todos os casais com ovos ou com crias. Creio até que é a primeira vez que tal me sucede pois há sempre uma fêmea, mais atrasada, que não põe ou até não chega a por durante toda a época de reprodução. Obviamente que abundam os arlequins pois crio-os com maior quantidade de casais mas, para já, partilho apenas fotos dos dois ninhos com canários Llarguet Espanhol, curiosamente ambos com quatro filhotes.

Llarguets Espanhóis nascidos em 2014-03-17


8 de Março de 2014

A DECORRER COM NORMALIDADE!


Já há passarinhos novos cá por casa, ontem e hoje foram anilhados os primeiros. Infelizmente, hoje, aconteceu mais uma baixa pois um dos passarinhos anilhados, ontem, apareceu no fundo da jaula morto. Tudo leva a crer que caiu do ninho pois não havia indicio de que os pais lhe tentassem tirar a anilha e os irmãos estavam de saúde, com as anilhas colocadas.

Tenho por hábito anilhar as aves ao anoitecer e fazer uma inspeção às jaulas depois de a luz apagar para verificar se os progenitores não atiraram nenhum filhote para fora do ninho ao tentarem, eventualmente, tirar-lhes as anilhas; faço isto há anos e, por azar, ontem não o fiz. Mesmo assim penso que a criação se encontra a decorrer com normalidade e hoje, dia 8 de Março, nasceram os primeiros canários Llarguet Espanhol. Apesar da fêmea  me inspirar pouca confiança, próximo do anoitecer, os filhotes tinham o papito com comida.

Partilho entretanto foto dos meus reprodutores da Jaula n.º 6. Saltei a Jaula n.º 5 por as fotos não corresponderem às aves que lá estão pois troquei as fêmeas.

Em honra do Dia Internacional da Mulher, termino mandando um beijinho para todas as senhoras que visitam este espaço e em particular para as que integram a minha família. 

Casal da Jaula n.º 06, macho par x fêmea poupa.

2 de Março de 2014

E DEPOIS DA HUMIDADE, VEM A?...


Olá a todos! Nesta, chamemos-lhe assim, atualização semanal esclareço que contrariamente ao que referi na passada semana não foi a fêmea que trouxe agarrada às penas a primeira cria que morreu este ano, foi o macho que a colocou, não só essa cria mas mais duas, fora do ninho. Nunca tal me tinha acontecido. Na próxima postura deste casal separarei o macho para evitar novo desaire

A primeira postura continua em curso pois há fêmeas que ainda não se predispuseram a criar mas tenho já cinco casais com filhotes, amanhã, dia 3 deverão nascer aves de mais dois casais, se todos os ovos eclodirem nascerão doze passarinhos nesses dois casais. Entretanto os ovos de dois dos casais (oito ovos no total) foram para o lixo por se encontrarem goros.

Continuo a ter excesso de humidade no canaril pelo que encaro com alguma reserva os próximos dias (leia-se nascimentos), mas acabando-se este mau período outro se aproximará, quiçá pior, a época das trovoadas que convenhamos tem grande influência na eclosão dos ovos.

Partilho foto de mais um casal reprodutor, o casal da Jaula n.º 04, que neste momento se encontra a chocar cinco ovos, todos cheios.

Casal da Jaula n.º 04.